6 de jan de 2013
Queira-lhe bem
Que a cinza esconde a brasa
O vento espalha a praga
E a fumaça presa nos pulmões
Quer evadir-se
E feito engano,
O corpo desconhece o toque
Não há cura quando o corte
Ultraja o desejo de sangue,
E fere sem medo.

Divinal, 
Distinguir amor e medo.
Nem Dante descreveria o inferno
Com a precisão que lhe acomete

Feito folha ao galho seco,
Uma arma à cabeça
Está apontada enquanto durmo.
Pra tanto sol, há muita sombra
E cada droga traz na lombra
Uma pitada de verdade.









0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos